Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulga selecionados para a Mostra Competitiva Brasil

O Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulga os selecionados para a Mostra Competitiva Brasil do evento que ocorre de 22 a 28 de novembro em Porto Alegre, RS. Do total de 875 inscritos, sendo 666 curtas e médias-metragens, 103 longas e 106 videinstalações, videoperformances e performances, 39 obras foram escolhidas para integrar a programação do festival.

Evento ocorre de 22 a 28 de novembro na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre

 

O Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulga os selecionados para a Mostra Competitiva Brasil do evento que ocorre de 22 a 28 de novembro em Porto Alegre, RS. Do total de 875 inscritos, sendo 666 curtas e médias-metragens, 103 longas e 106 videinstalações, videoperformances e performances, 39 obras foram escolhidas para integrar a programação do festival.

Serão 35 obras exibidas na Cinemateca Capitólio e quatro videoinstalações que serão expostas no Goethe-Institut Porto Alegre, co-realizadores do CEN 2018. A seleção conta com 13 projetos dirigidos por grupos, 13 realizadoras e 36 realizadores. Temáticas como feminismo, empoderamento da negritude, política atual, colonialismo, questões indígenas, pertencimento, religião, queer, entre outras, pautam os títulos selecionados de onze Estados brasileiros e nove produções assinadas por brasileiros realizadas no exterior (ou em coprodução internacional).

“Neste amplo panorama da recente produção autoral e independente do país, fica bastante claro que será uma edição extremamente posicionada e política”, afirmam os curadores que assinam a seleção, Jaqueline Beltrame, Ramiro Azevedo e Vinicius Lopes.  A lista integra títulos como “Sol Alegria”, de Tavinho Teixeira e sua filha Mariah Teixeira, uma ficção científica lo-fi, onde uma família nada tradicional corre por um país dominado por uma junta militar e pastores corruptos; “Supercomplexo Metropolitano Expandido”, de Guerreiro do Divino Amor, que investiga como forças ocultas e ficções de diferentes naturezas, sejam elas geográficas, sociais, midiáticas, políticas ou religiosas, interferem na construção do território e do imaginário coletivo a ideia de cidade-máquina em São Paulo; e “Azougue Nazaré” de Tiago Melo, eleito o melhor filme da mostra Bright Future da 47ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdã,  que incorpora elementos sobrenaturais em um retrato quase antropológico de uma pequena comunidade canavieira, dividida entre o Maracatu e o evangelismo.

Destaque também para “Majur”, documentário de Rafael Irineu Alves Lacerda que mostra um ano na  vida de Majur, chefe de comunicação de uma aldeia no interior do Mato Grosso; “O Peixe”, curta-metragem documental experimental que retrata uma vila de pescadores que tem o ritual de abraçar os peixes ao pesca-los; além de “Terremoto Santo” de Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, um curta musical com jovens cantores da cena da música evangélica da cidade de Palmares em Pernambuco, explorando com poesia e uma direção de fotografia muito autêntica a cultura evangélica do país.

O festival que, há quinze anos e onze edições derruba as barreiras simbólicas e experienciais entre o cinema e as artes visuais para exibir obras tanto na tradicional sala de cinema quanto em galerias de arte e espaços públicos, apresentará a performance “Título Provisório Para Obras de Formação Indeterminada”, de Marcelo Birck. Realizada em tempo real, exibe animações feitas à mão em super-8, antigas lâminas de lanterna mágica, e slides encontrados com som gerado a partir de um processo similar à montagem do cinema, transposto para outro material: vinis cortados a laser e recolados.

Entre os realizadores gaúchos, destacam-se “Tinta Bruta”, de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher, premiado como Melhor Longa Metragem no 68º Festival Internacional de Cinema de Berlim, “Música para quando as luzes se apagam” de Ismael Canepppelle e “Cidades dos Piratas” de Otto Guerra.

A Mostra Competitiva premiará ao final do evento o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 e cinco Prêmios Especiais do Júri (o Júri Oficial poderá outorgar até cinco prêmios, de forma livre, dentre todas as obras em competição), que serão divulgados em breve.

Com financiamento do edital de apoio a festivais e mostras do Ministério da Cultura / Secretaria do Audiovisual, o Cine Esquema Novo 2018 ocorrerá na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre, contemplando além da Competitiva Brasil outros programas especiais a serem anunciados nos próximos meses. O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, em co-realização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Cinemateca Capitolio e Goethe-Institut Porto Alegre e apoio Prime Box Brazil e Unisinos FM. Mais informações, acesse: www.cineesquemanovo.org | www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cineesquemanovo

 

MOSTRA COMPETITIVA BRASIL – CEN 2018 - SELECIONADOS

26 postais contam a história de uma amizade de 30 anos, Frederico Benevides  

A Casa, Camila Leichter (realizadora); Mauro Bomfim Espíndola e Ali Khodr (co-realizadores)     

A Chinesa de Riad, Leonardo Amaral & Roberto Cotta   

A Cidade dos Piratas, Otto Guerra         

À cura do rio, Mariana Fagundes           

Apenas um gesto ainda nos separa do Caos, Yuri Firmeza         

Azougue Nazaré, Tiago Melo    

B.U.N.I.T.A.S. [ce], Estela Lapponi        

BLANK Damour, Ali Khodr, Camila Leichter e Mauro Bomfim Espíndola  

Bye Bye Deutschland, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca     

El Meraya, Distruktur    

Entre Parentes, Tiago de Aragão           

Era uma vez Brasília, Adirley Queirós    

Estamos Todos Aqui, Chico Santos e Rafael Mellim       

Frequências, Adalberto Oliveira 

Galinhas no Porto, Caioz e Luís Henrique Leal   

Heart of Hunger, Bernardo Zanotta        

Ilhas ressonantes, Juruna Mallon          

IMO, Bruna Schelb Correa        

Inconfissões, Ana Galizia          

Inferninho, Guto Parente e Pedro Diógenes       

Latossolo, Michel Santos          

Majur, Rafael Irineu Alves Lacerda        

Música para quando as luzes se apagam, Ismael Caneppele      

Nome de Batismo-Alice, Tila Chitunda   

Num País Estrangeiro, Karen Akerman & Miguel Seabra Lopes  

O Peixe, Jonathas de Andrade  

Os Sonâmbulos, Tiago Mata Machado  

Princesa Morta do Jacuí, Marcela Ilha Bordin     

profanAÇÃO, Estela Lapponi     

Sem título (5), Luciano Scherer e Maíra Flores   

Silêncios, Caio Casagrande      

Sobrado, Renato Sircilli

Sol Alegria, Tavinho Teixeira e Mariah Teixeira  

Sr. Raposo, Daniel Nolasco      

Supercomplexo Metropolitano Expandido, Guerreiro do Divino Amor       

Terremoto Santo, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca

Tinta Bruta, Marcio Reolon e Filipe Matzembacher         

Título Provisório Para Obras de Formação Indeterminada, Marcelo Birck

COMPARTILHE