Cine Esquema Novo 2016 - Arte Audiovisual Brasileira

Cine Esquema Novo 2016 – Arte Audiovisual Brasileira

De 03 a 10 de novembro

Festival apresenta filmes, projeções e videoinstalações na Cinemateca Capitólio, Goethe-Institut Porto Alegre, Instituto Ling e pelas ruas e paredes da cidade

A edição de 2016 do Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira chega oficialmente a Porto Alegre nos dias 03 a 10 de novembro, com exibições gratuitas de filmes e instalações que serão apresentados na Cinemateca Capitólio, sede oficial do festival, Goethe-Institut Porto Alegre e Instituto Ling. Na semana que antecede as atividades, a equipe curatorial convida o público a olhar para cima: nos últimos dias de outubro, o CEN visitará alguns amigos do evento para realizar miniencontros com projeções de filmes e vinhetas nas paredes dos prédios vizinhos.

Com quase 600 inscritos, o festival que desde 2003 promove a diversidade da imagem através do conceito de Arte Audiovisual - uma proposta capaz de englobar tanto a ideia do cinema quanto das artes visuais, volta ser anual e competitivo. Das 44 obras selecionadas na Competitiva Brasil, 32 serão exibidas na sala da Cinemateca Capitólio e 12 em ambientes fora da sala de cinema, no formato de videoinstalações, projeções e performances (ver lista completa e sinopses abaixo). Serão mais de 35 horas de programação.

Produção gaúcha em alta

Não foram poucas as vezes em que a curadoria do evento teve que dar explicações devido à escassa participação de gaúchos no festival. Em 2016, o CEN está inundado por quatorze trabalhos de realizadores por aqui instalados ou que daqui brotaram e foram filmar o mundo. Muitas dessas obras são assumidamente reflexo da convivência destes realizadores com a diversidade das onze edições do CEN. Destaque para o longa Rifle, de Davi Pretto, premiado recentemente no Festival de Brasília, o curta Sesmaria, dirigido por Gabriela Richter Lamas e vencedor de quatro prêmios no Festival de Gramado, o trabalho Superquadra Saci, do artista gaúcho radicado em Recife Cristiano Lenhardt, que faz a abertura do CEN (e que também pode ser conferido na 32ª Bienal de São Paulo com as obras Uma coluna e Trair a espécie) e o longa Muito Romântico, exibido na mostra Forum Expanded da Berlinale 2016 e dirigido pelo duo baseado em Berlim, Melissa Dullius & Gustavo Jahn.

Um audiovisual cada vez mais político

Como era de se esperar, a produção nacional exibida na seleção no CEN 2016 aborda por diversas vezes as diferentes questões sociais e políticas que marcam a agenda brasileira. Este contexto está bem representado no festival este ano, com filmes e instalações que trazem temas como os protestos que tomaram o país (Jovens Infelizes ou um Homem que Grita não é um Urso que Dança, de Thiago B. Mendonça e Da Janela pra Consolação, de Dellani Lima); questões indígenas (Abigail, de Isabel Penoni e Valentina Homem, GRIN, de Roney Freitas e Isael Maxakali e o polêmico Antes o Tempo não Acabava, de Sergio Andrade e Fábio Baldo; ocupações urbanas (O Teto Sobre Nós, dirigido por Bruno Carboni); o ocaso das migrações (Para Aylan, de Jacson Dias e Maick Hannder); a opressão exercida sobre as mulheres (Why not be Beatiful?, de Sabrina Luna); e, sempre presentes, mas de forma cada vez mais madura e criativa, as questões LGBT, sexualidades e suas  liberdades (A Cidade do Futuro, de Cláudio Marques e Marília Hughes, O Último Dia Antes de Zanzibar, de Filipe Matzembacher e Marcio Reolone Antes o tempo não acabava).

Destaques em Cannes e Berlim

Trabalhos exibidos nos dois maiores festivais do mundo ganham destaque na Competitiva Brasil do CEN 2016. São os casos de Cinema Novo, dirigido por Eryk Rocha, filme-ensaio premiado com o Olho de Ouro em Cannes; A Moça que Dançou com o Diabo, de João Paulo Miranda Maria, que recebeu o Prêmio Especial do Júri na competição pela Palma de Ouro em Cannes; Abigail, exibido na Quinzena dos Realizadores do mesmo festival; Muito Romântico, dos gaúchos da DISTRUKTUR, Melissa Dullius e Gustavo Jahn, artistas radicados em Berlim e que exibiram seu filme autoreferencial na BERLINALE 2016, assim como Antes o Tempo não Acabava,que esteve no Panorama de Berlim.

Resistência em película no Goethe-Institut

Este ano, ao mesmo tempo em que exibe obras absolutamente contemporâneas no formato digital, o CEN 2016 faz um importante mergulho no universo da película, na busca de discutir a manutenção de técnicas analógicas na imagem em movimento, através da difusão, preservação e experimentação com as possibilidades estéticas que o trabalho em película permite ao artista. As obras internacionais que integram a programação da mostra Resistência em Película (ver programação completa e sinopses abaixo) são de curadoria da produtora Pátio Vazio. Além das mostras focadas em dois importantes artist-run film labs da Europa, o LaborBerlin (Alemanha) e o Worm.Filmwerkplaats (Holanda), um outro programa em 16mm será exibido no festival deste ano, focado no trabalho do duo OJOBOCA. O duo composto por Anja Dornieden (Alemanha) e Juan David González Monroy (Colômbia) residentes em Berlim, vem a Porto Alegre a convite do Goethe-Institut e German Films para apresentar seus trabalhos, ministrar a oficina Traces of Colored Light (ver serviço completo abaixo) de revelação e copiagem manual em 16mm (que ocorrerá durante dois dias no Instituto de Artes – UFRGS), além de uma conversa com o público sobre o trabalho que desenvolvem no duo e de sua experiência como membros do LaborBerlin. Os encontros ocorrem das 10 às 16h, nos dias 07 e 08 de novembro, no Instituto de Artes da UFRGS. São oferecidas 10 vagas. As inscrições custam R$ 60,00 e devem ser realizadas por este link: https://goo.gl/forms/Gb80nFxgCXJwG1lf1

Gestão de Acervos Audiovisuais + Acervo CEN disponível ao público

Uma das primeiras atividades da programação oficial do CEN 2016 inicia às 14h do dia 03 de novembro, na Sala Multimídia da Cinemateca Capitólio: o curso Gestão de Acervos Audiovisuais (ver serviço e programa completo abaixo), ministrado por Fernanda Coelho. Especialista em conservação audiovisual, Fernanda foi por quinze anos a Coordenadora de Preservação da Cinemateca Brasileira e apresenta durante três dias temas como noções básicas de museologia, tipologia de documentos audiovisuais, conservação de documentos, entre outros. Os encontros ocorrem das 14h às 18h no dia 03, e das 14h às 21h nos dias 04 e 05. São oferecidas 20 vagas. As inscrições custam R$ 200,00 e devem ser realizadas através deste link: https://goo.gl/forms/DKdgqsOoblkhx9ef2. A oficina acontece em correalização com o Programa de Alfabetização Audiovisual do MINC e a Coordenação de Cinema, Vídeo e Foto da Prefeitura de Porto Alegre.

Outra novidade desta edição é o Acervo do CEN disponível ao público. Milhares de filmes inscritos e exibidos no festival desde 2003 estão preservados na Cinemateca Capitólio para pesquisa e visionamento.

Audiovisual em Curso

A programação também conta com uma mostra de cinema universitário gaúcho que terá curadoria de estudantes de seis cursos de graduação de quatro instituições do RS: UFRGS (FABICO e Instituto de Artes), PUCRS (TECCINE), Unisinos (CRAV) e UFPel (Audiovisual e Animação). Intitulada Audiovisual em Curso, a mostra reunirá obras selecionadas pelos alunos que participaram de workshop de curadoria ministrado pelos curadores do CEN, Gustavo Spolidoro e Jaqueline Beltrame e a participação do Programador e Crítico Marcus Mello. A exibição das produções e os debates com os coordenadores dos cursos participantes ocorrerão no sábado, 05 de novembro, no Goethe-Institut Porto Alegre, das 14h às 18h.

Premiação CEN 2016

O evento de divulgação dos vencedores da Competitiva Brasil ocorre na quinta-feira, 10 de novembro, na Cinemateca Capitólio às 21h, com prêmios em serviços oferecidos por Kiko Ferraz Studios, Lilit Laboratório Digital, Psycho N’ Look e Locall, para o trabalho vencedor do Grande Prêmio Cine Esquema Novo.

O CEN 2016 é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, em correalização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia da Secretaria Municipal de Cultura e Goethe-Institut Porto Alegre; coprodução da Pátio Vazio; apoio institucional do Instituto Ling, Departamento de Artes Visuais e Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFRGS e Tecna – Centro Tecnológico Audiovisual do RS; apoio de premiação de Kiko Ferraz Studios, Lilit Laboratório Digital, Psycho n´Look e Locall; apoio cultural de German Films, Labor Berlin, WORM.Filmwerkplaats, Santander Cultural e Prana Filmes; e apoio doHotel Praça da Matriz, Atelier de Massas, Cachaça da Chica, Bar Ossip, Moeda Bar e Restaurante e Cervejaria Portoalegrense.

PROJEÇÕES E VIDEOINSTALAÇÕES:

Cinemateca Capitólio

Why not be Beautiful?, de Sabrina Luna, 2015, 07min, BR (PE) / ALE

Carnívora, de Arthur Tuoto, 2016, 63min, PR

Confidente, de Karen Akerman, Miguel Seabra Lopes, 2016, 12min, RJ

Goethe-Institut Porto Alegre

Atlas, de Magda Gebhardt, 2014, 06min, BR (RS) / FRA

Para Aylan, de Jacson Dias e Maick Hannder, 2016, 04min, MG

Habitat, de Raphael Aragão, 2015, 13min, PB

 

Instituto Ling

(Galeria) A maldição tropical, de Luisa Marques & Darks Miranda, 2016, 14min, RJ

(Auditório, 11h e 15h) - Digitaria ex Machina, de Gabraz, 2015, 23min, BR (RJ) / COL

(Auditório, 11h30 e 15h30) - Interlúdio, de Gabraz, 2016, 52min, RJ

(Auditório, 12h30 e 16h30) - Solon, de Clarissa Campolina, 2016, 16min, MG

(Auditório, 12h50 e 16h50) – Angelus Novus, de Duo Strangloscope (Cláudia Cárdenas & Rafael Schlichting), 2016, 75min, SC

 

Mostra Resistência em película

Este ano, ao mesmo tempo em que exibe obras absolutamente contemporâneas no formato digital, o CEN 2016 faz um importante mergulho no universo da película, na busca de discutir a manutenção de técnicas analógicas na imagem em movimento, através da difusão, preservação e experimentação com as possibilidades estéticas que o trabalho em película permite ao artista. As obras internacionais que integram a programação da mostra Resistência em Película (ver programação completa e sinopses abaixo) são de curadoria da produtora Pátio Vazio. Além das mostras focadas em dois importantes artist-run film labs da Europa, o LaborBerlin (Alemanha) e o Worm.Filmwerkplaats (Holanda), um outro programa em 16mm será exibido no festival deste ano, focado no trabalho do duo OJOBOCA.

 

 Mostra Audiovisual em Curso

A programação também conta com uma mostra de cinema universitário gaúcho que terá curadoria de estudantes de seis cursos de graduação de quatro instituições do RS: UFRGS (FABICO e Instituto de Artes), PUCRS (TECCINE), Unisinos (CRAV) e UFPel (Audiovisual e Animação). Intitulada Audiovisual em Curso, a mostra reunirá obras selecionadas pelos alunos que participaram de workshop de curadoria ministrado pelos curadores do CEN, Gustavo Spolidoro e Jaqueline Beltrame e a participação do Programador e Crítico Marcus Mello. A exibição das produções e os debates com os coordenadores dos cursos participantes ocorrerão no sábado, 05 de novembro, no Goethe-Institut Porto Alegre, das 14h às 18h.

Oficinas

Traces of Colored Light, com OJOBOCA, Gestão de Acervos Audiovisuais com Fernanda Coelho

 

VENCEDORES MOSTRA COMPETITIVA

Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2016: CINEMA NOVO, de Eryk Rocha (RJ)

“Parece documentário, mas vai além, construindo-se como poderoso ensaio poético. Ressignifica, não segue cartilhas, critica o próprio objeto. Experiência profunda de montagem, atualiza e redescobre a potência das imagens em um novo contexto”.

 

Prêmio Destaque Cine Esquema Novo 2016 #1 - RIFLE, de Davi Pretto (RS)

“Distante dos esquemas tradicionais dos filmes bombacha-e-chimarrão, mas percorrendo o mesmo cenário pampeano, não se entrega às facilidades narrativas ao acompanhar as inquietações de um personagem à margem do heroísmo”.

 

Prêmio Destaque Cine Esquema Novo 2016 #2 - JONAS E O CIRCO SEM LONA, de Paula Gomes (BA)

“Um retrato sensível que, ao assumir o seu processo criativo, espelha e ao mesmo tempo altera a realidade que documenta, dividindo com o personagem o anseio da criação artística”.

 

Prêmio Destaque Cine Esquema Novo 2016 #3 - SOLON, de Clarissa Campolina (MG)

“O cenário pós-catastrófico, o desenho de som arrojado e a sugestão política constroem uma experiência sensorial perturbadora”.

 

Prêmio Destaque Cine Esquema Novo 2016 #3 - WOMAN WITHOUT A MANDOLIN, de Fabiano Mixo (BR-RJ / ALE)

“Uma tradução audiovisual precisa do cubismo ao justapor em um único plano múltiplas perspectivas de uma mesma figura”.

 

Júri

EDUARDO VERAS - Eduardo Veras é professor do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), atuando no Bacharelado em História da Arte e no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais. É membro do Comitê Brasileiro de História da Arte. Integra o Conselho Deliberativo da Fundação Vera Chaves Barcellos e o Comitê de Acervo e Curadoria da Fundação Iberê Camargo.

IVONETE PINTO - Jornalista, doutora em Cinema pela USP; professora no curso de Cinema da UFPel; editora das revistas Teorema e Orson; sócia fundadora e ex-vice-presidente da Abraccine – Assoc. Brasileira de Críticos de Cinema; sócia-fundadora e ex-presidente da Accirs (Assoc. e Críticos de Cinema do RS); participou de júris em festivais como Gramado, Mar del Plata, Teerã, Cine Ceará,  Mostra de São Paulo, Havana, Cartagena e FestRio. É autora dos livros A Mediocridade, Descobrindo o Irã e Samovar nos Trópicos.

VICENTE MORENO - Vicente Moreno atua como diretor, roteirista e montador. Entre seus trabalhos recentes está o curta Depois da Avenida, a série Grandes Cenas e o longa Dromedário no Asfalto, do qual foi montador e produtor executivo. Graduou-se realizador audiovisual pela UNISINOS, onde atualmente é professor de montagem e roteiro, e concluiu seu mestrado em comunicação pela PUCRS, com ênfase em narratologia. Foi também professor convidado na CINETVPR em Curitiba e na Especialização em Cinema da UNISINOS.

 

 Números do CEN 2016

5 filmes premiados

3 mostras

44 filmes selecionados para Competitiva Brasil

59 artistas (10duos e 4 coletivos)

32 filmes em exibição na Cinemateca Capitólio (sessões às 19h e 21h)

4 filmes nos espaços expositivos do Capitólio

3 filmes no Instituto Goethe

4 filmes no Instituto Ling

1 performance pelas ruas da cidade

Mais de 35h programação em sala de cinema, galerias, ruas e paredes da cidade;

14 sessões em sala de cinema

14 filmes dirigidos por mulheres

14 filmes gaúchos (realizados aqui ou em outras plagas)

5 atividades formativas

COMPARTILHE